29 de jun de 2010

Mobile Marketing: uma prática invasiva?

A publicidade mobile continua a crescer, impulsionada pelo interesse dos anunciantes neste novo espaço e pelo aumento do número de telefones celulares. Será este um meio permissivo ou invasivo na vida dos consumidores?

Segundo pesquisas, durante o ano de 2008 foram investidos mundialmente US$ 530.2 milhões em mobile advertising. E, é esperado para 2012 valores ainda maiores, algo em torno de US$ 7,5 bilhões.

É notória a expansão deste novo meio, algumas marcas mais inovadoras dão os primeiros passos e incluem o mobile marketing nos planos de mídia. Em contrapartida, é um crescimento relativamente pequeno e bastante tímido.

Roberto Saretta, diretor geral da 2Call, empresa de mobile marketing com franquias nas principais cidades brasileiras, compara o surgimento desta nova modalidade com o início da internet, onde poucos anunciantes destinavam parte ou porcentagens mínimas do budget. “Trata-se de uma novidade para o mercado e os primeiros passos já foram dados. Investimentos no início de 2010 na abertura de novas unidades e apostamos em campanhas com abrangências maiores” – complementa Saretta.

Novas necessidades imprimem ritmo às profundas transformações do padrão de consumo atual e a publicidade precisa acompanhar tendências e formas de interação com o target.

De acordo com os dados da Teleco e MMA – Associação de Mobile Marketing, atuante em nível global -, respectivamente, existem no Brasil 175.599.260 celulares ativos e um investimento menor que 4% no segmento. Mesmo que as pesquisas indiquem resultados positivos, as empresas têm receio em investir por se tratar de uma mídia nova, o que pode gerar dúvidas sobre a sua aplicação.

Roberto aponta que os principais motivos ditos pelos gestores de marketing dos anunciantes e agências de publicidade estão associados a uma imagem equivocada sobre o mobile marketing, como mídia invasiva. Segundo ele, esse fato pode ser rapidamente comprovado em uma ação de Bluetooth marketing, quando aparece no visor do celular a seguinte mensagem: “[Nome da empresa] quer compartilhar com você [nome do arquivo]. Deseja aceitar?”

O nome deste processo é ‘opt-in’ e quando o usuário aceita, passa a receber conteúdo da marca de interesse, armazena no aparelho e posteriormente pode compartilhar com outras pessoas do mesmo modo, através do Bluetooth.

Especialistas e empresas da área estão otimistas com os resultados obtidos no início de 2010. Há projeções para o final do ano, que indicam o dobro do crescimento do mobile marketing no Brasil. Em outros países, essa realidade já foi alcançada e alguns pontos da Europa servem de inspiração para empresas brasileiras deste segmento.

29/06/2010 - 12h



Nenhum comentário:

Postar um comentário