6 de jul de 2010

A maioria dos trabalhadores atinge o pico do desempenho entre quarenta e cinquenta anos de idade. E, após esse período, a produtividade passa a cair gradualmente.

A idade chega: profissionais mais experientes não devem nada em performance!

Pesquisa comparou a produtividade e os rendimentos entre os trabalhadores de idade avançada e os demais

Entre as empresas, paira o consenso de que a maioria dos trabalhadores atinge o pico do desempenho entre quarenta e cinquenta anos de idade. E, após esse período, a produtividade passa a cair gradualmente.

Uma pesquisa elaborada pelo economista holandês Jan van Ours, da Tilburg University, comparou a produtividade e os rendimentos entre os trabalhadores de idade avançada e os demais. O que se comprovou foi que a diferença entre eles e os funcionários mais jovens é mínima.

A tese de van Ours foi amparada pelo seguinte resultado: os índices de produtividade para o trabalho físico declinam com o passar da idade, porém, as funções de natureza intelectual permanecem praticamente estáveis.

Com relação a esse ponto, afirma o holandês, até o momento ninguém havia realizado uma pesquisa em torno da
veracidade do caso, uma vez que o declínio no desempenho sempre pareceu um quesito "evidente" para as pessoas, por isso o critério de idade sempre prevaleceu.

Evidências

Pronto a saciar essa dúvida, van Ours resolveu ir à campo e iniciar uma investigação, uma análise de um grupo de corredores, onde realmente evidenciou-se uma queda de produtividade a partir dos quarenta anos de idade.

No entanto, quando ele analisou a menor frequência nas publicações de artigos científicos nas revistas, desenvolvidos por economistas com idade mais avançada, verificou-se que não houve uma queda relevante na produção.

Durante a pesquisa, o economista também descobriu que os trabalhadores na linha de fábrica, com mais experiência, rendem um pouco menos do que deveriam, levando em conta o salário que ganham. Quanto aos trabalhadores mais jovens, acontece o inverso.

Resultados

"Geralmente, os trabalhadores mais velhos ganham um pouco mais em relação ao nível de produção que eles realizam, mas essa diferença é desprezível", diz van Ours.

O maior problema, para o qual ele defende uma solução, é a dificuldade dos profissionais mais velhos em conseguirem outro emprego, no caso de uma eventual demissão.

Por Equipe InfoMoney, InfoMoney | 06 de julho de 2010, às 00h06min


Nenhum comentário:

Postar um comentário